domingo, janeiro 29, 2012

A doença silenciosa
Anderson Rodrigues17:10 0 comentários


A hepatite C, doença causada pelo vírus HCV, provoca problemas hepáticos, geralmente a longo prazo. Atualmente, cerca de 1% da população brasileira está infectada por esta doença, que foi descoberta em 1989.

É transmitida pela entrada do vírus na corrente sanguínea, por meio de transfusão de sangue, transplantes, ou compartilhamento de seringas, barbeadores, alicates e outros objetos perfurocortantes que, previamente, foram utilizados por pessoas contaminadas. Embora sejam raros os casos, esta doença também pode ser transmitida através de relações sexuais sem uso de camisinha e verticalmente, de gestante para o bebê. Não existe vacina para o HCV.

Muitas vezes, a hepatite C se manifesta assintomática por muitos anos, sendo que, quando os sintomas surgem, tendem a ser semelhantes com o de uma gripe comum. Assim, a infecção pelo vírus tende a ser diagnosticada acidentalmente, por meio de exames de sangue requeridos para outro fim, acusando altas taxas de uma enzima denominada TGP, ou ALT. Identificando este fator, é feita uma investigação a fim de confirmar a presença do patógeno, sendo necessários exames de sangue e, em algumas situações, biópsia hepática.

O grande problema está no fato de que 80% destas pessoas desenvolverão a hepatite crônica, sendo que em 40% dos casos desencadearão em complicações como cirrose e câncer de fígado. Assim, quando a descoberta é precoce, é feito um tratamento para diminuir as chances de se desenvolver a hepatite C crônica, este de duração de seis meses. Quando isso não ocorre, algumas drogas são indicadas para eliminar o vírus e controlar os sintomas, sendo que a cura total depende do grau de comprometimento do fígado, genótipo do vírus e sua carga viral.

O tratamento nem sempre é fácil, já que pode conferir ao paciente dores pelo corpo, queda de cabelo, emagrecimento, depressão, dentre outros sintomas – que desaparecem completamente ao fim destes procedimentos. Quando o vírus não é eliminado e a doença continua a progredir, pode ser necessário o transplante de fígado. Pacientes infectados pelo HCV são a causa mais frequente de indicações para este procedimento cirúrgico.

Informação importante: Cerca de 20% dos pacientes com hepatite C podem desenvolver diabetes, já que o vírus interfere na produção de insulina.
O MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE: A automedicação pode ter efeitos indesejados e imprevistos, pois o remédio errado não só não cura como pode piorar a saúde.

Por Mariana Araguaia
Graduada em Biologia
Equipe Brasil Escola

  Serviço                       

Para os moradores de Pelotas que são portadores ou conhecem alguém com a doença, pode solicitar informações detalhadas sobre a Hepatite C bem como, participar de reuniões com outras pessoas portadoras da doença.
A ADOTE-C - Grupo de apoio a portadores de hepatite C da ADOTE - é uma atividade da ADOTE criada em agosto de 2005 sob a hipótese de que, sendo a cirrose hepática derivada da hepatite C a principal causa de indicação de transplante de fígado, a detecção e o tratamento precoce pode contribuir para a diminuição da lista de espera pelo transplante. 

A ADOTE-C reúne-se a cada quinze dias no auditório da Terceira Coordenadoria Regional de Saúde, à Rua Barão de Santa Tecla, esquina com Rua Tiradentes, em Pelotas, RS.

Contato:
Rua Sete de Setembro, 274, 
7o andar, sala 05 
Pelotas - RS 
CEP 96015-300 

Fone/Fax: (53) 3222-9010 
Celular: (53) 9982-1420 


Categoria:
Sobre o autor Anderson Rodrigues é Bacharel em Comunicação Social e graduando em Letras - Revisão e Redação de textos.

0 comentários

Postar um comentário

Sua opinião nos motiva a melhorar mais e mais!