terça-feira, março 30, 2010

Minhas conclusões a respeito do reajuste salarial da BM
Associação de Cabos e Soldados PM JAR16:54 3 comentários

Como era de se esperar, o acordo para aceitação das propostas do Governo do Estado, foi, mais uma vez, conduzido pelas três associações sediadas na capital, em que pese haverem mais de 20 entidades em todo o Rio Grande do Sul.
Os valores todos já sabem: 180 milhões na matriz salarial em 2010 e a garantia de mais 111 milhões em 2011. Tivemos ainda um aumento de 10 para 15% no cálculo da matriz.
Por conta desse acordo, tivemos o aumento da contribuição previdenciária que será de 7,5% esse ano e 11 % em 2011.
Os oficias superiores também puderam ver aprovado seu reajuste de 19,9% retroativo a março de 2009, equiparando-se aos delegados de polícia. Ao contrário do que possa parecer, o reajuste não é nada quando comparado ao que foi pago à outras categorias, porém o justo é que fosse estendido à toda família brigadiana.
Contudo, ao que parece, alguns pontos do acordo não foram respeitados pelo executivo, ou então nunca existiram, apesar de terem sido alerdeados pelos negociadores.
O primeiro diz respeito a emenda ao projeto de aumento do IPE, protocolada pelo Deputado Marquinhos Langue a pedido das três associações, onde ficava garantido a paridade entre ativos, inativos e pensionistas. Submetido a votação, tal emenda não foi aprovada.
Outro fato que me chamou a atenção, foi a leitura em plenário de uma nota oficial do executivo, desmentindo as informações de que os soldados com inclusão até 1997 seriam todos promovidos a 3º Sargento, e que seria aberto concurso para o CTSP com um número expressivo de vagas, de forma regionalizada a fim de não onerar os servidores. Segundo a nota lida pelo Deputado Adilson Trocca , serão disponibilizadas apenas 260 vagas para o CTSP, dentro da capacidade da escola de Santa Maria, descartando, portanto, a tão almejada regionalização.
De outra ponta, fiquei estarrecido com a facilidade com que a Assembléia Legislativa concedeu o reajuste do judiciário e ministério público, inclusive com acordo dos deputados da base governista para aprovação. O impacto, só com o aumento do judiciário, será de 100 milhões. Aliás, nosso legislativo está se especializando em aprovar reajustes para os que ganham mais, tanto que o valor destinado a esses poucos servidores já ultrapassa os 400 milhões de reais.
Para consolo nosso, os demais servidores estavam melhor organizados e conseguiram garantir a aprovação do aumento do vale refeição que será reajustado em 31% apartir de junho de 2009 e em 50% a partir de abril de 2010. No entanto, continuará sendo estornado no que exceder a 6% do salário e descontado nas férias.
Portanto, espero que tais acontecimentos sirvam de experiência para que no futuro, quando estiverem em discussão os nossos direitos, haja um maior comprometimento dos servidores a fim de não aceitar que alguns decidam pelo todo.
Por Jorge Rodrigues
Categoria:
Sobre o autor Anderson Rodrigues é Bacharel em Comunicação Social e graduando em Letras - Revisão e Redação de textos.

3 comentários

Postar um comentário

Sua opinião nos motiva a melhorar mais e mais!