quarta-feira, setembro 06, 2017

Sartori não cumpre promessa da posse e quase esgota saque de depósitos judiciais
Anderson Rodrigues20:01 0 comentários

Autor: Marco Weissheimer

Arte criada pela ACSJAR
O governo José Ivo Sartori (PMDB) efetuou, em agosto de 2017, o saque de R$ 121,5 milhões dos depósitos judiciais, informou nesta segunda-feira (4) o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Os saques foram feitos nos dias 2 (R$ 11 milhões), 24 (R$ 95,5 milhões) e 31 (R$ 11 milhões), data do início do pagamento da folha do Poder Executivo. Neste dia, o governo pagou a primeira parcela, de R$ 350, do salário de agosto dos servidores do Executivo.
Segundo nota publicada no site do Tribunal de Justiça, o valor sacado em agosto (R$ 121,5 milhões) aproxima-se do valor total do duodécimo líquido repassado ao Judiciário, para encargos de pessoal, no mês de agosto.
Ao todo, informa ainda o TJ, o montante de depósitos judiciais sacado pelo Executivo já superou os R$ 10 bilhões: R$ 10.129.377.507,77. O governo Tarso Genro (PT) em quatro anos (2011-2014), utilizou cerca de R$ 5,8 bilhões dos depósitos judiciais. Após o saque efetuado pelo governo Sartori em agosto, restavam ainda R$ 120 milhões para atingir o limite de 95%, previsto como teto para os saques pelo Executivo.
O uso dos depósitos judiciais foi um dos temas polêmicos das eleições de 2014. A campanha do então candidato José Ivo Sartori, assim como a de outras candidaturas de oposição, criticou o governador Tarso Genro pelo que chamou de recurso abusivo aos depósitos judiciais, classificando tal postura como irresponsável, entre outros qualificativos. No entanto, em dois anos e oito meses de governo, José Ivo Sartori já ultrapassou largamente o governo anterior neste quesito. O volume de saques do atual governo também supera os verificados nos governos de Yeda Crusius (cerca de R$ 615 milhões) e de Germano Rigotto (cerca de R$ 1,4 bilhão)
Segundo dados do Banrisul, que administra a conta dos depósitos judiciais, no dia 31 de dezembro de 2014, último dia da gestão anterior, essa conta possuía um saldo de R$ 1,96 bilhão. Naquele momento, a legislação permitia saques de até 85% do saldo da conta dos depósitos judiciais. O governo Sartori aprovou um projeto na Assembleia Legislativa elevando esse índice para 95%. Agora, no início de setembro de 2017, restam apenas R$ 120 milhões para atingir o limite de 95% previsto pela lei.
O uso dos depósitos judiciais pelo atual governo contraria não apenas o discurso adotada na campanha eleitoral de 2014, como também o discurso de posse do governador Sartori, no dia 1° de janeiro de 2015, quando afirmou: “Não dispomos mais dos remédios usados em outras épocas: a inflação, as privatizações, o caixa único, os depósitos judiciais… Precisaremos ser criativos”.
Em setembro do mesmo ano, Sartori encaminhou à Assembleia o projeto que ampliou para 95% o percentual de saque dos depósitos. Na época, o governador disse que era uma “medida paliativa, mas compreensível diante da emergência”, pedindo apoio também para a proposta de aumento da alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Essas duas medidas seriam condições para garantir o pagamento do funcionalismo em dia, argumentaram os líderes do governo. As duas propostas foram aprovadas, mas o parcelamento dos salários dos servidores permaneceu e se agravou, chegando ao recorde da parcela de R$ 350 paga no final de agosto.
Ao contrário do que havia anunciado na semana passada, o governo não pagará nesta terça-feira (5) a segunda parcela do salário dos servidores, no valor de R$ 170,00. A justificativa é que não teria conseguido arrecadar os cerca de R$ 60 milhões que seriam necessários pagar essa parcela.

Fonte: Sul21




sábado, setembro 02, 2017

Em entrevista a TVE, Sartori diz que parcelamento dos salários quase não existiu
Anderson Rodrigues16:00 0 comentários

QUASE NÃO EXISTIU? COMO ASSIM?


Marco Weissheimer

O governador José Ivo Sartori (PMDB) disse, em entrevista concedida ao programa Frente a Frente, da TVE, que, graças às medidas adotadas por seu governo nos últimos anos, o parcelamento de salários dos servidores públicos quase não existiu. A entrevista, gravada na casa do governo na Expointer, foi exibida na noite de quinta-feira (31) e será reprisada neste domingo (3), às 15h30min, na TVE, emissora da Fundação Piratini que Sartori quer extinguir. Ao falar sobre a situação econômica do Estado e sobre o parcelamento dos salários dos servidores, o governador disse:
“A gente faz aquilo que é possível, nas condições que você tem. Mesmo que a gente tenha salário parcelado, foi possível que esse parcelamento quase não existisse. Todos os parcelamentos foram, no máximo, a última vez, até o décimo quinto dia”.

Confira a entrevista concedia à TVE (clicando aqui)

No dia 30 de agosto, o governo Sartori confirmou o 21º parcelamento de salários de servidores de sua gestão. A folha de agosto dos servidores do Executivo começou a ser paga na quinta, com o depósito de uma parcela de R$ 350. Em julho, as parcelas começaram com R$ 650. A parcela anunciada na última quarta-feira é a mais baixa do atual governo.
Em função do novo parcelamento de salário, trabalhadores da educação de diversas cidades do Estado decidiram registrar boletins de ocorrência nas delegacias de polícia de seus municípios contra o governador José Ivo Sartori. Na tarde desta sexta-feira, segundo o Centro de Professores do Estado do Rio Grande do Sul (CPERS Sindicato) já havia centenas de registros confirmados, denunciando que Sartori vem descumprindo o artigo 35 da Constituição Estadual, apropriando-se de forma indevida dos salários dos educadores e dos demais servidores públicos do Estado.
Professores e funcionários do Colégio Júlio de Castilhos, o Julinho, estão convidando seus colegas das escolas da Zonal Azenha e demais interessados para uma atividade coletiva de registro de Boletins de Ocorrência na próxima segunda-feira (4), para de denunciar o novo parcelamento de salários. Uma concentração foi marcada para às 10 horas, em frente ao Julinho, de onde os servidores sairão em caminhada até o Palácio da Polícia.

Fonte: Sul21




sexta-feira, setembro 01, 2017

ATO EM DEFESA DO POVO GAÚCHO E DA VIDA DO POLICIAL MILITAR
Anderson Rodrigues20:22 0 comentários



No dia 1º de Setembro, várias cidades do estado realizaram o “ato em defesa do povo gaúcho e da vida do policial militar”. Em Pelotas, os diretores da Associação de Cabos e Soldados Policiais Militares (ACSJAR), Associação de Sargentos, subtenentes e tenentes da Brigada Militar (ASSTBM) e a Associação de Inativos da Brigada Militar (AIBM) entregaram, pela manhã, ao Dr. Marcelo M. Cabral Juiz de Direito do Foro de Pelotas um ofício que questiona a conduta do Governador Sartori diante da recusa de cumprir as decisões judiciais, o documento exige que ele cumpra os despachos judiciais com decisões favoráveis aos servidores públicos em todas as estâncias judiciais, que determina o fim do parcelamento dos salários. 

Ofício entregue pelas Associações da BM ao Juiz de Direito no Foro de Pelotas


Após, no período da tarde os diretores dessas entidades reuniram-se no calçadão de Pelotas para protestar contra a política de sucateamento do estado adotada pelo Governo de José Ivo Sartori. Para o Presidente Neimar da Associação de Cabos e Soldados “os brigadianos não estão na rua apenas para protestar contra o parcelamento, o que estamos denunciando aqui é o desgoverno de Sartori, ele está acabando com a segurança pública e isso tem um reflexo fatal na vida das pessoas, pois sem efetivo, a insegurança toma conta da sociedade e o número de mortes, assaltos, roubose furtos só aumentam” comenta.
O ato de Pelotas foi realizado de forma simultânea com os demais atos espalhados por diversas cidades do estado atendendo uma agenda estadual de manifestações organizada pelas Associações representativas de Classe.

Neste manifesto foi entregue para a população um panfleto que traz no texto um alerta à sociedade “A segurança dos gaúchos está ameaçada”





Assessoria de Comunicação da Associação de Cabos e Soldados Policiais Militares de Pelotas. 

segunda-feira, agosto 28, 2017

EFETIVO REFORÇADO EM PELOTAS
Associação de Cabos e Soldados PM JAR13:04 0 comentários

DEZENOVE POLICIAIS MILITARES DEVERÃO ATUAR NAS RUAS DA CIDADE ATÉ SEGUNDA-FEIRA 


O total, 20 PMs foram remanejados para Pelotas e Piratini (Foto: infocenter)

Até segunda-feira (28), 19 policiais militares devem reforçar o efetivo do 4º Batalhão de Polícia Militar (BPM) nas ruas de Pelotas. Isso porque 20 PMs de diversas regiões do Estado foram remanejados à Região Sul de forma permanente. Destes, 19 irão compor as companhias operacionais da Brigada Militar em Pelotas e um PM irá fazer parte do quadro de policiais do município de Piratini.
Quatro policiais já se apresentaram ao comando do 4º BPM e estão atuando no patrulhamento ostensivo na cidade. Os 20 PMs transferidos, porém, não fazem parte da nova turma de policiais aprovados no último concurso da Brigada Militar, mas de uma lista de interessados em atuar na Princesa do Sul. Os novos soldados, no entanto, foram lotados para Porto Alegre e Região Metropolitana. Há uma semana, durante reunião em Rio Grande, o secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, prometeu mais policiamento em Pelotas até o mês de outubro.
Para o presidente da Associação de Cabos e Soldados, Neimar de Oliveira, o reforço no efetivo ajuda - mas está longe do ideal. Segundo ele, diante dos índices criminais que a cidade tem registrado, 19 policiais não representam um reforço, mas um “tapa buracos”. “A BM está realizando um trabalho de repressão e não é assim que funciona. É necessário prevenção”, comentou.
Dados estatísticos da criminalidade no Rio Grande do Sul, divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP/RS), apontam que os crimes de furtos, furtos de veículos, homicídios, roubos e roubos de veículos tiveram aumento em Pelotas nos seis primeiros meses deste ano, se comparado ao mesmo período do ano passado. Se até junho de 2016 o município contabilizava 1.257 ocorrências de furto, esse ano foram 1.937 registros. Elevação de 54% nos crimes. Os assassinatos representam aumento de 51,4%, comparando ao mesmo período do ano passado, quando Pelotas registrou 35 casos no primeiro semestre contra 53 até junho de 2017.
Os roubos em geral (pedestre, transporte e comércio) apresentaram elevação de 21,1%. De 1º de janeiro a 30 de junho, foram 2.123 casos, média de 353,8 roubos por mês, aproximadamente 11,7 vítimas por dia. Os roubos de veículos tiveram aumento de 39,8% nos crimes. Este ano foram 144 veículos roubados, contra 103 ocorrências até junho do ano passado.
Neimar criticou ainda o projeto Pacto Pelotas pela Paz, lançado pela prefeitura no último dia 12. Para ele, a iniciativa é ideia ilusória da redução de criminalidade. “Como fazer um trabalho de policiamento preventivo, se não existe efetivo para isso? Prevenção é policial fardado e circulando pelas ruas, algo que está distante daqui”, disse. O 4º BPM enfrenta déficit de policiais de, pelo menos, 40% do que seria considerado ideal. Segundo informações, a maioria do efetivo em Pelotas está com tempo ou próximo a ele para abandonar a farda e entrar para reserva da corporação.
De acordo com o Comando do 4º BPM, a transferência dos 20 PMs para Pelotas e Piratini só foi possível devido à formação dos novos policiais militares ocorrida em julho.


Por: Giulliane Viêgas
giulliane.viegas@diariopopular.com.br

domingo, agosto 27, 2017

​Brigada Militar lança Projeto Avante Sênior
Anderson Rodrigues19:05 0 comentários




A Brigada Militar lançou o Projeto Avante Sênior, nesta sexta-feira (25), no auditório do comando-geral da corporação, com o objetivo de qualificar a gestão administrativa e operacional da instituição utilizando a experiência e conhecimento dos policiais militares que atualmente estão na reserva remunerada.  Os pilares do projeto são a gestão por resultados, a melhoria de processos e a maturidade na gestão dos projetos estratégicos, bem como estimular a realização e aplicação de práticas de sucesso.
O chefe do Escritório de Gerenciamento de Projetos (EGP), tenente-coronel Fernando Linch, apresentou o Avante Sênior destacando que há muito conhecimento acumulado pelos policiais militares, através dos inúmeros cursos de formação, especialização, aperfeiçoamento e pós-graduação realizados no Brasil e no exterior, além das experiências individuais adquiridas em operações, missões, comando, chefias e execução da profissão policial militar. “O Projeto Avante Sênior pretende valorizar o conhecimento dos integrantes da Reserva Remunerada, mantendo a produção e o compartilhamento do conhecimento, através de um processo de aprendizado contínuo e transdisciplinar”, afirmou.
De acordo com o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Andreis Silvio Dal’Lago, o lançamento deste projeto é um momento ímpar para a corporação, afirmando que o Avante Sênior irá trazer a sabedoria dos policiais militares que já se aposentaram para alavancar a maturidade dos policiais que estão na ativa. “A rotatividade traz ruptura à memória institucional, mas com este projeto iremos diminuir este lapso, valorizando profissionais que possuam tempo livre, motivação, capacidade de trabalho e habilidades técnicas e tecnológicas para contribuírem ainda mais com a corporação”, destacou.
O antigo comandante-geral da corporação, coronel RR Jerônimo Carlos Santos Braga, destacou a constante coragem da Instituição  para continuar inovando. “A Brigada Militar está completando 180 anos mas olha para frente, e não para os 180 que já se passaram. Nossa corporação não tem valor porque é antiga, mas é antiga porque tem valor”, declarou.
Na solenidade de lançamento do projeto, também foi assinada a portaria nº. 677 do Estado-Maior da BM, que cria o Projeto Avante Sênior para colaborar e participar no desenvolvimento de projetos, estratégias e em toda a forma de melhoria e aperfeiçoamento da Brigada Militar. O documento foi assinado pelo comandante-geral da BM, coronel Andreis, pelos antigos comandantes-gerais da corporação, coronel RR Jerônimo Carlos Santos Braga, juiz militar e coronel RR Antônio Carlos Maciel Rodrigues e coronel RR José Dilamar Vieira da Luz; representando a Legião da Reserva Altiva, o coronel RR Délbio Ferreira Vieira; representando o Grupo Papo Roxo, coronel RR Carlos Alberto Oliveira de Azeredo; representando o Grupo Centauro, coronel RR Edisson Ferreira e, representando o Grupo Golfinho, coronel RR César Chaves.
Também estiveram presentes no lançamento do projeto,  o chefe do Estado-Maior da Brigada Militar, coronel Júlio César Rocha Lopes, o comandante do Policiamento da Capital, coronel Jefferson de Barros Jacques, o diretor do Departamento Administrativo, coronel Henrique Botelho, representando a presidência da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (Abamf), tenente Jairo Rosa, demais comandantes regionais, oficiais e praças da ativa e da reserva remunerada.

GABINETE DO COMANDANTE-GERAL
Assessoria de Imprensa
Clelia Admar (51)3288-2767 (51) 98501-6549
Foto: Rafael Silva/GCG


sábado, agosto 26, 2017

ENTIDADES FARÃO ATO CONJUNTO EM SETEMBRO
Anderson Rodrigues17:54 0 comentários

Amigos e amigas, membros da grande família brigadiana:

Nos reunimos na sede da ASSTBM/PEL para firmarmos a aliança entre as três entidades representativas dos praças de nível médio da Brigada Militar de Pelotas. Na reunião (que foi aberta a todos associados) ficou acordado entre as três entidades  que a agenda de manifestações terá início às 10 horas em frente ao foro (comarca de Pelotas) e após, exatamente as 13:30, estaremos concentrados na esquina democrática (calçadão de Pelotas).




Chegou a hora da família brigadiana mostrar a força, não podemos nos acovardar, jamais devemos nos esconder atrás dos outros colegas nem permitir que lutem a nossa luta sozinhos.
Maior que a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!#RuiBarbosa

Assessoria de Comunicação - Associação de Cabos e Soldados Policiais Militares - JAR 

quinta-feira, agosto 17, 2017

ARTILHARIA PESADA: GOVERNO SARTORI DEFLAGRA GUERRA CONTRA A SEGURANÇA PÚBLICA
Associação de Cabos e Soldados PM JAR13:32 0 comentários


Rafael de Souza Beltrame*

Em resposta a projetos de lei que tramitam na Assembleia Legislativa Gaúcha contra a retirada dos já escassos direitos dos servidores que atuam na SEGURANÇA PÚBLICA do nosso estado, à exemplo da PEC 258 2016, cujo Proponente é o Poder Executivo e está em Tramitação sob o número do processo: 20636.01.00/16-5, que visa extinguir o direito aos adicionais por tempo de serviço; altera o parágrafo 3º e acrescenta o parágrafo 8º ao art. 33 da Constituição do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências (...), devemos nos engajar, fazer forte oposição e propor, já que a palavra de ordem é "corte de despesas", que sejam REESTRUTURADOS, REVISTOS E AUDITADOS os pagamentos de TODOS OS QUE ATUAM dentro da máquina pública e política do estado. Que sejam revistas e apresentadas à população em uma mais que oportuna profunda AUDITORIA quais são verdadeiramente as regalias, benefícios e mordomias dos deputados estaduais e, em especial, o proposição sem mais desculpas da extinção salário vitalício para o cargo de governador que diz(em) "trabalhar" pelo Rio Grande e após quatro anos de serviços ou desserviço ao povo, com raríssimas exceções de bons resultados, saem de lá com a "vida ganha" e fartos das regalias que sua breve passagem por lá lhes faculta. Na outra ponta estamos todos nós, cidadãos trabalhadores e explorados pelo estado, tendo que sustentar esse modelo nas costas e ainda ter de aceitar que nos retirem os poucos direitos - e de valores ridículos - que possuímos. Este governo já foi desafiado pelos técnicos dos tribunais de contas do estado que são contrários a muitas medidas adotadas e/ou apresentadas por este governo enganador que aí está contra o povo gaúcho. Diante desses achaques e da vilania que impera e trabalha em prol dos próprios interesses ao atender o capital especulativo, conclamo à consciência de cada conterrâneo e trabalhador da iniciativa privada ou pública desta terra, pois somos nós que continuaremos a sofrer com essa "picardia" da classe política-vendida-traidora. Seremos nós os maiores lesados que, mais uma vez seremos penalizados e, ainda sim, continuará pagando esta salgada conta. E tudo isso está na conta dos descalabros daqueles que não honram o povo gaúcho e não tem a decência de cumprir com suas promessas. Devem eles (Deputados, classe política em geral e todos os detentores de portentosos salários e seguido de seus inúmeros "auxílios" para tudo o mais que com "apenas" o próprio salário já seria o suficiente para dar conta), cortar na própria carne a começar pelas regalias que gozam às nossas custas. E ISSO DEVE SER FEITO DE IMEDIATO! É HORA DE DIZER UM BASTA À MÁ GESTÃO EM CURSO DESTE GOVERNO QUE AI ESTÁ E NÃO A RETIRADA DE NOSSOS DIREITOS! É momento de mostrarmos nossa força e união! Não a retirada de mais um direito sequer!!! EXIGIMOS O FIM IMEDIATO DAS AMEAÇAS TEATRAIS DE PARCELAMENTO DOS SALÁRIOS DO SERVIDORES DO EXECUTIVO. BASTA!!! Este governo que aí está não respeita e não cumpre as decisões do judiciário. Merece ele alguma obediência?!
__________________________________________________________________________

*Sobre o autor: Beltrame é servidor público estadual, há 17 anos, vice-presidente da Associação de Cabos e soldados de Pelotas, Pós graduado em Segurança Pública, Bacharel em Direito.